Indústria: avanços na manutenção e na automação

Com o crescimento dos setores industriais, duas frentes têm sido cada vez mais requisitadas. Trata-se da manutenção preventiva e da automação industrial. Cada vez mais essas disciplinas são vistas como uma verdadeira cultura sem as quais o crescimento das indústrias estaria comprometido.

De fato, a rotina industrial, bem como as metas constantes que buscam aumentar a produção e otimizar o tempo e os recursos, seriam impensáveis sem uma postura pró-ativa de buscar continuamente dois fatores..

O primeiro deles é a capacidade de antecipar-se aos defeitos, que é o que faz a manutenção preventiva. Já o segundo é a postura de inovar cada vez mais na conexão e harmonia entre os vários processos industriais.

A importância da manutenção industrial

Toda a gama de rotinas de manutenção industrial necessárias pode ser mais facilmente controlada e gerenciada se forem estabelecidos os devidos padrões, medidas e técnicas de previsibilidade.

Somente a postura pró-ativa garantirá o nível de qualidade de cada tarefa executada, permitindo que todas as ações sejam executadas da maneira mais segura e eficiente.

De fato, a cultura da manutenção vai além da simples contratação de um encanador ou eletricista, aos quais serviços alguns recorrem quando um problema já aconteceu: o cano rompeu ou a eletricidade entrou em pane.

Atualmente, as técnicas estão evoluindo e isso implica não apenas no fato de que o setor industrial ou predial exige profissionais como eletromecânicos, especialistas em automação tecnológica, em hidráulica-pneumática, etc. Mas o fato de que a prática da manutenção como um todo está mudando.

Se a manutenção corretiva deve ser o último estágio da cadeia, útil apenas para um problema já ocorrido e que provavelmente poderia ter sido evitado, o próprio conceito de manutenção preventiva já foi mais aprofundado.

Hoje se fala em manutenção predeterminada, bem como em manutenção de contexto ou invasiva. Trata-se de uma realidade segundo a qual as máquinas e equipamentos já contam com sensores e dispositivos que avisam quando qualquer funcionamento começa a dar sinais de que poderá sair dos eixos.

Conforme dito acima, é o encontro entre a lógica da manutenção e a da automação.

A importância da previsibilidade

Quando se fala em um
painel elétrico industrial, por exemplo, se está falando em um dispositivo fundamental.

Todo mundo sabe o quanto a eletricidade é essencial na vida moderna. Não somente em nossas casas e escritórios, ou nas lojas que frequentamos e nos hospitais e enfermarias, mas também nas instalações industriais.

Lembrando que tais instalações têm mais a ver com o nosso dia a dia do que imaginamos em um primeiro momento.

Elas vão desde fábricas até instalações de purificação de água e distribuição de energia para nossas casas. Para isso, a eletricidade deve ser canalizada e controlada com muita segurança e de modo funcional. Aí é que entra o papel do painel elétrico.

De modo simplificado, um painel elétrico industrial é comparável à caixa do disjuntor de uma residência. Ele serve a um propósito bastante parecido, sendo que a diferença reside na proporção da demanda, uma vez que a industrial é, obviamente, muito maior que a residencial.

Basta isso para deixar clara a importância desse dispositivo na rotina de uma unidade fabril. Como já dito, tudo aquilo que compromete a linha de produção de uma indústria compromete também o lucro do empresário e a sustentabilidade do negócio.

Daí a importância da manutenção preventiva, que impede que dispositivos e terminais essenciais a uma instalação cheguem ao ponto de pararem de funcionar.

Daí a importância da automação industrial, tecnologia pela qual um processo ou procedimento industrial passa a ser realizado com a menor assistência humana possível.

Automação industrial e a parte elétrica

Outro exemplo bastante ilustrativo é o do motor elétrico trifásico. Trata-se do tipo de motor mais utilizado em termos industriais. Suas principais características são:

  • A potência do motor;
  • As correntes nominais;
  • A tensão de alimentação;
  • As velocidades de rotação;
  • A corrente de partida;
  • Os graus de proteção, etc.

Em um caso desses, a automação, que nada mais é que o controle automático programado, consiste na utilização de vários sistemas de controle que garantem a boa operação do motor. Bem como a manutenção preventiva visa evitar futuros problemas no sistema ou circuito.

Um exemplo ainda mais moderno seria o da placa de circuito impresso, dispositivo altamente automatizado, uma vez que foi criado para substituir as antigas pontes de terminais na qual todos os componentes eletrônicos eram soldados.

Hoje esses circuitos são aplicados em quase todas as soluções eletrônicas e eletroeletrônicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *