Como é feito a fabricação de peças industriais?

A fabricação de peças industriais é um processo de extrema importância. A indústria surgiu com a invenção de máquinas capazes de produzir em larga escala.

Assim, o maquinário está diretamente ligado à atividade industrial, que dele depende.

As peças de uma máquina são o que torna seu funcionamento possível e sua qualidade precisa ser alta.

Neste artigo, você vai entender como essas peças são feitas.

Peças usinadas

torno mecanico é uma ferramenta para usinagem, uma máquina operatriz usada tanto para fabricar quanto para dar acabamento às peças.

Usinar é mudar a forma de determinado material, realizando a transformação de matéria bruta para peças.

O tipo mais comum de usinagem acontece com o metal, mas também é possível usinar outros materiais, como o plástico.

O torno utiliza placas para a fixação das peças e conta com um barramento no qual a maioria das ferramentas utilizadas para a usinagem se encontram.

Seus outros componentes são uma “caixa” e um cabeçote fixo.

O principal ponto positivo de se trabalhar com um torno mecânico é a grande variedade de formatos possíveis. Justamente por conta dessa pluralidade, existem diferentes modelos de torno disponíveis no mercado.

Os tipos de torno mecânico são:

  • Torno cnc industrial;
  • Torno horizontal;
  • Torno vertical;
  • Torno revólver;
  • Torno platô;
  • Torno copiador.

CNC é uma sigla para Comando Numérico Computadorizado e esse tipo de torno utiliza coordenadas (X -vertical e Z – longitudinal) para usinar.

Já o modelo horizontal é voltado para peça com pequeno diâmetro e grande comprimento.

O modelo vertical é mais adequado para peças com maior altura ou diâmetro, lidando melhor com seu peso e deixando o trabalho do operador mais fácil.

O tipo revólver é usado em peças pequenas e sua principal característica é ter um cabeçote móvel.

O tipo platô é como um oposto do modelo horizontal, pois é voltado para peças com grande diâmetro e pequeno comprimento.

Por fim, o torno copiador é mais utilizado em trabalhos em madeira e funciona através da criação de réplicas – as réplicas são feitas por um mecanismo hidráulico (que usa fluido pressurizado para funcionar), contornando as formas da peça “mãe”.

Peças fundidas

Outra forma de fabricar peças é com a fundição.

O modo mais popular de fundição é aquele com ligas de ferro-carbono, mas, assim como a usinagem, ela pode ser feita com outros materiais.

Nesse caso, a matéria-prima fica líquida e é despejada em moldes no formato da peça desejada.

Em comparação à usinagem, a desvantagem dessa técnica é que a variedade de formatos possíveis não é muito grande.

Afinal, é preciso que uma forma seja fabricada para cada formato desejado.

Entretanto, a vantagem da fundição é que ela torna possível fazer peças mais complexas, com detalhes pequenos.

Há uma quantidade razoável de peças que não poderiam ser feitas por outro método.

Dentro dessa categoria, a Ferramentaria de moldes plasticos é um segmento amplo.

Muitas são as máquinas e ferramentas que utilizam peças de plástico e elas são feitas por injeções nos moldes produzidos por essa ferramentaria.

Geralmente, utiliza-se um software de modelagem 3D para definir o formato dessas peças.

Depois de confeccionadas, seja por fundição ou por usinagem, as peças são encaminhadas para uma empresa de montagem industrial.

Essas empresas são responsáveis por unir as peças e formar uma ferramenta ou máquina. Essa união pode ser por meio de sondagem, usando parafusos, por rosqueamento.

É muito comum que essas empresas sejam chamadas ao local de instalação de determinado equipamento. Por exemplo, no caso de tubulações a montagem é feita no local e esses profissionais vão até seus clientes.

Essas empresas também são chamadas para realizar a manutenção industrial de sistemas e equipamentos.

É necessário, porém, estar sempre atento quanto a qual empresa contratar, pois a substituição de peça deve ser feita por outra idêntica, preferencialmente do mesmo fabricante.

A manutenção pode incluir a solução de problemas com vazamentos e outros trabalhos que não envolvem substituição de peças.

Por fim, conclui-se que a fabricação de peças pode acontecer de diferentes maneiras, podendo mudar o formato de um sólido ou se valer de um líquido para fazer uma fundição.

Não existe técnica melhor ou pior, tudo depende da aplicação em questão.

Considerando o tamanho, a complexidade, o formato e outros aspectos, fica claro qual a melhor ferramenta para transformar matéria bruta em algo útil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *